Economia

EUA iniciam “guerra tarifária” contra produtos industriais da China

EUA guerra China

O governo dos Estados Unidos anunciou em 14 de maio que irá impor tarifas sobre produtos chineses, incluindo carros elétricos. A “guerra tarifária” iniciada pelos EUA se expande para os setores emergentes em que a China possui vantagens.

No dia 14, a Casa Branca anunciou que irá aumentar significativamente as tarifas de importação sobre setores estratégicos que incluem: semicondutores, carros elétricos, baterias de energia, produtos fotovoltaicos, minerais essenciais, aço e alumínio, equipamentos médicos, entre outros. A tarifa sobre semicondutores chineses foi aumentada de 25% para 50%, a tarifa sobre alguns produtos de aço e alumínio subiu para 25%, e a tarifa sobre células solares aumentou de 25% para 50%.

Segundo relatos, o foco do governo Biden ao ajustar as tarifas sobre a China desta vez está nos setores de novas energias, especialmente no aumento substancial das tarifas sobre carros elétricos.

Normalmente, os Estados Unidos impõem uma tarifa de 2.5% sobre veículos de passageiros importados. Em 2018, o governo Trump adicionou mais 25% de tarifa sobre carros chineses. De acordo com o Wall Street Journal, o governo Biden planeja aumentar a tarifa adicional sobre carros elétricos chineses para 100%, o que significa que os carros elétricos chineses enfrentarão uma tarifa de 102.5% ao entrar no mercado dos EUA.

Dados da Administração Geral das Alfândegas da China mostram que em 2019, a China exportou apenas 326 carros 100% elétricos para os EUA, totalizando menos de US$ 3 milhões em valores de exportações. Somente em 2022, as exportações chinesas de carros 100% elétricos para os EUA ultrapassaram 10 mil unidades, com valores de exportações que nunca excederam US$ 460 milhões. De acordo com dados dos EUA, os carros 100% elétricos e híbridos produzidos na China representam apenas 2% do total de carros novos de energia importados pelos EUA, uma proporção muito menor do que os produzidos na Alemanha, na Coreia do Sul e no Japão.

Fonte: news.cctv.com
Imagem principal: Li Ran/ Xinhua