Destaques da Semana

Comitê do Senado dos EUA se posiciona por unanimidade contra TikTok

De acordo com a Reuters, funcionários federais dos EUA seriam proibidos de usar o aplicativo de vídeo móvel chinês TikTok em dispositivos emitidos pelo governo, devido a um projeto de lei aprovado no Comitê do Senado dos EUA na quarta-feira. Os legisladores temiam a segurança dos dados pessoais dos usuários.

O registro “No TikTok on Government Devices Act”, que foi introduzido pela primeira vez em março pelo senador Josh Hawley, republicano do Missouri, foi aprovado por unanimidade pelo Comitê de Segurança Interna e Assuntos Governamentais do Senado dos EUA, e agora passará para o plenário do Senado, onde ocorrerá uma votação por toda a câmara.

Se aprovada, será conciliada com uma versão que já passou na Câmara dos Deputados, 336-71, como uma emenda à Lei de Autorização de Defesa Nacional de US$ 741 bilhões (R$ 3,82 trilhões), a legislação anual do orçamento de defesa.

Além disso, de acordo com o The Information, um pequeno grupo de investidores norte-americanos da ByteDance está discutindo com a alta administração da empresa a possibilidade de unir forças para comprar uma participação majoritária na TikTok, a medida que fica mais difícil para a empresa chinesa manter o controle do aplicativo de vídeo, que cresce rapidamente.

As autoridades dos EUA se manifestaram em diversas ocasiões contra a TikTok:

No dia 6 de julho, o secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, disse que, por razões de segurança, os Estados Unidos estão pensando em bloquear a Tiktok.

No dia 16 de julho, Larry Kudlow, consultor econômico da Casa Branca, disse acreditar que a TikTok se tornaria uma empresa americana sob a pressão da CFIUS.

No dia 17 de julho, de acordo com o Financial Times, foi relatado que o governo dos EUA pode considerar a adição da controladora da TikTok, ByteDance, à lista negra de entidades.

Também no dia 17 de julho, muitos anúncios políticos do presidente dos EUA, Donald Trump, apareceram nas páginas do Facebook e Instagram, com a frase “A TikTok está espionando você”, como pretexto para pedir aos usuários americanos que assinem uma petição para bloquear a empresa chinesa e solicitar aos participantes que doem à campanha Trump.

Segundo a Reuters, a TikTok disse no ano passado que cerca de 60% de seus 26,5 milhões de usuários ativos mensais dos EUA têm entre 16 e 24 anos, mas negou a acusação de entregar dados de usuários ao governo chinês e afirmou que não o faria se solicitado.

Leia mais: EUA impõem restrições de visto a alguns funcionários da Huawei

Fonte: chinaz.com; Reuters